Igreja Una Santa Católica e Apostólica


Os 4 Dogmas Marianos

Os 4 Dogmas Marianos

“Magnificat anima mea Dominum Et exultavit spiritus meus in Deo salutari meo. Quia respexit humilitatem ancillæ suæ: ecce enim ex hoc beatam me dicent omnes generationes. Quia fecit mihi magna qui potens est, et sanctum nomen eius. Et misericordia eius a progenie in progenies timentibus eum. Fecit potentiam in brachio suo, dispersit superbos mente cordis sui. Deposuit potentes de sede et exaltavit humiles. Esurientes implevit bonis et divites dimisit inanes, Suscepit Israel puerum suum recordatus misericordiæ suæ, Sicut locutus est ad patres nostros, Abraham et semini eius in sæcula.”

Maria é um quadro ou um espelho?

Antes de tratarmos sobre os dogmas marianos faço questão de expor em poucas palavras, alguns conceitos que precisamos meditar.

Nossa Senhora é nossa intercessora, nossa mãe, medianeira das graças e tantos outros maravilhosos títulos consagrado à aquela que gerou nosso Divino Salvador. Mas muitas vezes somos indagados pelo pietismo popular, a cantar os louvores de Maria, mas nos esquecemos do mais belo que é imitar á Maria.

Damos louvores à Virgem, como expressa no seu canto, o Magnifica “as gerações hão de me chamar bendita”, mas antes dos seus louvores que são dignos e é a hiperdulia, devemos busca a sua imitação, pois assim seus louvores passam ser muito mais dignos e frutuosos e não olharemos a Virgem como um quadro lindo, mas como um espelho à imitar.

Maria a Nova Eva predestinada por Deus.

O Pai das misericórdias quis que a aceitação, por parte da que Ele predestinara para Mãe, precedesse a Encarnação, para que, assim como uma mulher contribuiu para a morte, também outra mulher contribuísse para a vida. (LG 56)

Os quatro dogmas marianos, constituem verdades de fé, ou seja, são inquestionáveis o que difere de outros títulos da piedade popular ou de aparições privadas em que o fiel, pode ou não acreditar.

MARIA MÃE DE DEUS

A partir do século III começaram a surgir algumas heresias que negavam a divindade de Cristo, sob influência do gnosticismo.  A Igreja se pronunciou dizendo primeiramente que Jesus era filho de Deus por natureza e não por adoção. (Concilio de Antioquia).

No Concilio de Niceia ano de 325, ainda combatendo as heresias tais como o arianismo, que professava que Cristo nasceu do nada e de outra substancia, a Igreja professou que Jesus é consubstancial ao Pai. Também o herético Nestório, que via em Cristo uma pessoa humana, unida a pessoa divina, em que São Cirilo de Alexandria vai combater no terceiro Concilio de Éfeso em 431 afirmando, que “a humanidade de Cristo não tem outro sujeito senão a pessoa divina do Filho de Deus, que a assumiu e a fez sua desde que foi concebida.” Por isso, o Concílio de Éfeso proclamou, em 431, que Maria se tornou, com toda a verdade. Mãe de Deus, por ter concebido humanamente o Filho de Deus em seu seio:  Mãe de Deus, não porque o Verbo de Deus dela tenha recebido a natureza divina, mas porque dela recebeu o corpo sagrado, dotado duma alma racional, unido ao qual, na sua pessoa, se diz que o Verbo nasceu segundo a carne. (DS 251)

Outras heresias ainda foram levantadas sobre a divindade de Cristo e sua humanidade, como os monofisistas, que diziam que a humanidade de Jesus, foi suprimida por sua divindade, a que o Concílio de Calcedónia em 451, proclamou:

Na sequência dos santos Padres, ensinamos unanimemente que se confesse um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, igualmente perfeito na divindade e perfeito na humanidade, sendo o mesmo verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, composto duma alma racional e dum corpo, consubstancial ao Pai pela sua divindade, consubstancial a nós pela sua humanidade, semelhante a nós em tudo, menos no pecado: gerado do Pai antes de todos os séculos segundo a divindade, e nestes últimos dias, por nós e pela nossa salvação, nascido da Virgem Mãe de Deus segundo a humanidade.

Um só e mesmo Cristo, Senhor, Filho Único, que devemos reconhecer em duas naturezas, sem confusão, sem mudança, sem divisão, sem separação. A diferença das naturezas não é abolida pela sua união; antes, as propriedades de cada uma são salvaguardadas e reunidas numa só pessoa e numa só hipóstase. ( DS 301-302)

Ainda surgiram outras heresias, questionando, ora a divindade, ora a natureza, mas o que vemos a Igreja definindo que Jesus é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem e Maria mãe de Jesus, logo ela é Mãe de Deus.

Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor? (Lc 1, 41-43)

Com efeito, Aquele que Ela concebeu como homem por obra do Espírito Santo, e que Se tornou verdadeiramente seu Filho segundo a carne, não é outro senão o Filho eterno do Pai, a segunda pessoa da Santíssima Trindade. A Igreja confessa que Maria é, verdadeiramente, Mãe de Deus (Theotokos) (DS 251)

MARIA SEMPRE VIRGEM

Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco. (Is 7,14)

Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. (Lc 1, 34-35)

Eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. (Mt 1,20)
O aprofundamento da fé na maternidade virginal levou a Igreja a confessar a virgindade real e perpétua de Maria, mesmo no parto do Filho de Deus feito homem. Com efeito, o nascimento de Cristo não diminuiu, antes consagrou a integridade virginal da sua Mãe. (CIC 499)

Em outubro de 649, o Concílio do Latrão chegou a esta definição de fé: “Seja condenado quem não professar, de acordo com os santos Padres, que Maria, mãe de Deus em sentido próprio e verdadeiro, permaneceu sempre santa, virgem e imaculada quando, em sentido próprio e verdadeiro, concebeu do Espírito Santo, sem o concurso do sêmen de homem, e deu à luz Aquele que é gerado por Deus Pai antes de todos os séculos, o Verbo de Deus, permanecendo inviolada a sua virgindade também depois do parto”.

Na encíclica Redemptoris Mater de João Paulo II “Maria consente na escolha divina para se tornar, por obra do Espírito Santo, a Mãe do Filho de Deus. Pode-se dizer que este consentimento que ela dá à maternidade é fruto da doação total a Deus na virgindade. Maria aceitou a eleição para ser mãe do Filho de Deus, guiada pelo amor esponsal, o amor que consagra totalmente a Deus uma pessoa humana. Em virtude desse amor, Maria desejava estar sempre e em tudo ‘doada a Deus’, vivendo na virgindade. As palavras ‘Eis a serva do Senhor’ comprovam o fato de ela desde o princípio ter aceitado e entendido a própria maternidade como dom total de si, da sua pessoa, a serviço dos desígnios salvíficos do Altíssimo. E toda a participação materna na vida de Jesus Cristo, seu Filho, ela viveu-a até o fim de um modo correspondente à sua vocação para a virgindade.”

No mistério da obra de salvação da humanidade, quis Deus encarna se no seio de uma virgem,  por obra do Espirito Santo, aquele que é Deus de Deus, Luz da Luz... e no seu nascimento sua mãe continua intacta quanto a sua virgindade e permanece virgem em sua vida, ou seja não tem relação conjugal com seu legitimo esposo José, e Jesus é o único filho da família de Nazaré. Mas a maternidade espiritual de Maria estende-se a todos os homens que Ele veio salvar: “Ela deu à luz um Filho que Deus estabeleceu como "primogénito de muitos irmãos" (Rm 8, 29), isto é, dos fiéis para cuja geração e educação Ela coopera com amor de mãe. (LG 63) Os argumentos protestantes que se baseiam nas escrituras em relação aos “irmãos de Jesus”, são tão refutáveis, quanto ridículos no campo da exegese bíblica. Quanto à permanência da virgindade durante o parto, Deus é Luz e a luz é partícula, e consegue atravessar o vidro sem que o mesmo se quebre.

MARIA A IMACULADA CONCEIÇÃO

Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. (Lc 1, 28-30)

Nesta saudação do anjo, que chama Maria de “cheia de graça” encontra se a indentidade de Maria, ela é filha de seu Filho. A saudação do anjo não foi Maria... mas cheia de graça. Ela pelos méritos de Cristo e para a aceitação livre de fé ao anúncio do anjo de sua vocação era preciso estar totalmente sob moção da graça de Deus.

Maria não é para Deus simplesmente uma função, mas antes de tudo uma pessoa, e é como pessoa que é tão cara a Deus desde toda a eternidade. (Raniero Catalamessa)

É o que confessa o dogma da Imaculada Conceição, proclamado em 1854 pelo Papa Pio IX:

Por uma graça e favor singular de Deus onipotente e em previsão dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, a bem-aventurada Virgem Maria foi preservada intacta de toda a mancha do pecado original no primeiro instante da sua conceição. (DS 670)

Maria foi redimida de uma forma mais sublime por seu Filho, ela é cheia de graça antes mesmo da Encarnação. A santidade de Maria tem também uma característica que a coloca acima de qualquer pessoa do Antigo e Novo Testamento. É uma graça incontaminada. A Igreja Latina a chama de “Imaculada” e a Igreja Oriental  de “Toda Santa” (Panaghia).

Como diz Santo Ireneu, "obedecendo, Ela tornou-se causa de salvação, para si e para todo o género humano". Eis porque não poucos Padres afirmam, tal como ele, nas suas pregações, que "o nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a Virgem Maria com a sua fé"; e, por comparação com Eva, chamam Maria a "Mãe dos vivos" e afirmam muitas vezes: "a morte veio por Eva, a vida veio por Maria”.

Nas aparições de Nossa Senhora em Lourdes à Santa Bernadete no ano de 1858, apenas quatro anos após o dogma de 1854, quando indagada pela menina de qual era seu nome, ela respondeu: - Eu sou a Imaculada Conceição!

MARIA ASSUNTA AO CÉU

A Assunção de Maria foi o último dogma a ser proclamado, por obra do papa Pio XII, a 1o de novembro de 1950. Na Constituição Apostólica “Munificentissimus Deus”, o Pontífice afirmou que, depois de terminar o curso terreno de sua vida, ela foi assunta de corpo e alma à glória celeste.

Finalmente, a Virgem Imaculada, preservada imune de toda a mancha da culpa original, terminado o curso da vida terrena, foi elevada ao céu em corpo e alma e exaltada pelo Senhor como rainha, para assim se conformar mais plenamente com o seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte. (DS 3903)

 Esse privilégio brilhou com novo fulgor quando o nosso predecessor de imortal memória, Pio IX, definiu solenemente o dogma da Imaculada Conceição. De fato esses dois dogmas estão estreitamente conexos entre si. Cristo com a própria morte venceu a morte e o pecado, e todo aquele que pelo batismo de novo é gerado, sobrenaturalmente, pela graça, vence também o pecado e a morte. Porém Deus, por lei ordinária, só concederá aos justos o pleno efeito desta vitória sobre a morte, quando chegar o fim dos tempos. Por esse motivo, os corpos dos justos corrompem-se depois da morte, e só no último dia se juntarão com a própria alma gloriosa. Mas Deus quis excetuar dessa lei geral a bem-aventurada virgem Maria. Por um privilégio inteiramente singular ela venceu o pecado com a sua concepção imaculada; e por esse motivo não foi sujeita à lei de permanecer na corrupção do sepulcro, nem teve de esperar a redenção do corpo até ao fim dos tempos. Quando se definiu solenemente que a virgem Maria, Mãe de Deus, foi imune desde a sua concepção de toda a mancha, logo os corações dos fiéis conceberam uma mais viva esperança de que em breve o supremo magistério da Igreja definiria também o dogma da assunção corpórea da virgem Maria ao céu. (Munificentissimus Deus)

O profeta Elizeu antes de Elias ser arrebatado por uma carruagem de fogo pediu que uma porção redobrada do “espirito” de Elias recaia sobre ele conforme as escrituras.

 

Tendo passado, Elias disse a Eliseu: Pede-me algo antes que eu seja arrebatado de ti: que posso eu fazer por ti? Eliseu respondeu: Seja-me concedida uma porção dobrada do teu espírito. (2Rs 2,9)

Quanto mais nós à Virgem devemos pedir que o Espirito que a fez ser cheia de graça, nos faça a imitação de dela, cheios de Maria.

 “Esteja em cada um de nós a alma de Maria para glorificar o Senhor, esteja em cada um de nós o espirito de Maria para exultar em Deus”. (Santo Ambrósio)

O maior fruto de amor a Maria é imitá-la, pois antes de um belo quadro ela é um belíssimo espelho.

 

Por Junior Mathias



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!