Igreja Una Santa Católica e Apostólica


Terça-Feira Santa de 2015

31/03/2015 02:36

Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Durante esse período intenso da Semana Santa onde viveremos os mistérios de Cristo somos convidados a pensar sobre nossa atitude diante do Senhor da vida.

No evangelho de hoje pode ser dividido em três momentos diversos - a situação de Jesus vendo que se aproxima a hora, a conversa na ceia sobre o traidor e o compromisso de Pedro em não negar. Em todos os casos estão presente à traição.

Jesus está decidido a entregar a sua vida (Mt 20, 28), mas o sentimento da angústia da decisão é tratado pelo salmista como certeza daquele que anuncia com sua boca a salvação (Sl 70). Jesus decidido a anunciar assume também o sofrimento da entrega total. Esse esvaziamento da entrega voluntária é acompanhado pelo peso da responsabilidade. Jesus opta sabendo das consequências, sabe da sua missão de ser aquele que tem a tem a palavra como uma espada afiada (Is 49, 2).

Apesar do sofrimento aparente, Jesus segue a sua missão, sem trair seu Pai e aqueles que necessitam do Cordeiro.

Já Judas e Pedro atraídos por sentimentos opostos acham na traição uma forma de se manifestar negativamente a vontade de Deus.

Judas, querendo que Jesus se apresente como o Messias revolucionário esperado para liderar o povo, o trai e atrai para si para entrega-lo. Judas tinha intimidade com o Mestre, estava junto Dele. Mas não pareceu entender a grandiosidade da mensagem salvífica anunciada, vivida e demonstrada por Jesus. Judas não viu teorias e conceitos: Viveu na prática aquilo que Jesus ensinava!

São Pedro, querendo estar com Jesus junto ao povo que tanto o saudou na entrada de Jerusalém, o trai e atrai para si para nega-lo. São Pedro tinha intimidade com o Mestre, estava junto Dele. Mas não pareceu entender a grandiosidade da mensagem salvífica anunciada, vivida e demonstrada por Jesus. São Pedro não viu teorias e conceitos: Viveu na prática aquilo que Jesus ensinava!

O que situações diferentes e tão intimamente ligadas podem nos ensinar?

Judas e São Pedro tinham pleno conhecimento daquilo que Jesus havia feito, eram testemunhas pessoais de grandes feitos, mas optaram em trair o Mestre por entendimento pessoal... Medo... Incompreensão...

Jesus ficou profundamente comovido ao ir a ceia com seus discípulos e anunciar a traição. Eles ficaram surpresos e aquele que já havia decidido pela traição foi revelado. Já São Pedro, optar em jurar fidelidade que Jesus sabia que não seria possível não por infidelidade ou desvio de caráter, mas ele ainda não havia entendido o que sua felicidade e plenitude só seria alcançada fazendo a vontade de Deus, a exemplo de Jesus.

Que possamos aprender que é fazendo a vontade de Deus que teremos a plenitude da felicidade.

Felicidade

Santa Semana.

Marco Antonio Alencar de Mesquita

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!