Relativismo. Uma praga!

05/04/2013 16:51

O Papa Bento XVI por diversas vezes se pronunciou contra a doutrina do relativismo, muitos nem se deram conta do estrago que esta palavra/atitude, pode fazer em todos os âmbitos seja o da moral, da fé, da doutrina, do político em fim ao mundo todo!

O que é relativizar?

A definição básica é uma doutrina que prega que algo é relativo, contrário de uma ideia absoluta, categórica. Atitude ou doutrina que afirma que as verdades (morais, religiosas, políticas, científicas, etc.) variam conforme a época, o lugar, o grupo social e os indivíduos de cada lugar.

Ou seja, tudo dependeria do ponto de vista do indivíduo e já não existe uma verdade absoluta, mas diversas janelas onde cada qual “enxerga” ao seu ponto de vista!

E como isto está incrustrado na mente moderna, pois o relativismo “ajuda” a não ferir a consciência, pois como a consciência tende a preservar a verdade, apartir do momento que condicionamos a não existir uma verdade absoluta, a consciência já não acusa.

A verdade é imutável já comprova a filosofia, o que era verdade ontem é verdade hoje, seria impossível afirmar que a verdade do passado é mentira hoje, pois a verdade é atemporal, ela é VERDADE.

Mas onde quero entrar é no nosso campo, o da fé, moral e doutrina, pois o relativismo cultural está entrando como uma fumaça (Alusão ao discurso do Papa Paulo VI) no terreno Sagrado da fé, da doutrina e da moral e entra por mentes que se dizem “abertas”.

Mas o que é “mente aberta”?

Entendo por mente aberta uma palha seca que ao sopro de qualquer vento seja do sul para o norte, do leste para o oeste é levado à uma nova “verdade”, uma nova óptica da realidade. E a verdade não é mais absoluta é relativa, joga no time que esta vencendo, na maioria e contrapõe a Verdade da consciência. A consciência de um relativista virou uma prostituta e a preço de qualquer nova “verdade relativista” se deita na cama!

E onde isto afeta a fé, a moral e a doutrina?

Afeta em tudo! Pois, o relativismo tende a formar um corpo com diversas cabeças, novas visões e tira o foco do eterno, daquilo que não passa, pois como o relativismo é mutável, a mente relativista quer o agora, o hoje e para isso sufoca o ontem e questiona o amanhã.

O relativismo tende a desfocar da verdade para encontrar uma “nova verdade” que não o acuse, não o questione, pois o relativista é um camaleão, que se adapta a sua realidade, com medo do inimigo, mas quer deixar de ser camaleão. Se adapta com as propriedades do meio e se faz o “meio” mesmo ainda sendo um camaleão!

A moral relativista é não ter moral, não existe o certo o errado, o natural ou o inatural, tudo deve ser adaptado ao meio, voltamos ao camaleão, ele é aquilo que o “meio” impõe a ele e não em sua essência uma camaleão. Perde se então aquilo que é dele a identidade.

Quando vejo Cristãos justificando estarem no meio ao mundo como “sal da massa” e para isso justificam suas mais torpes presenças, fico me perguntando se foi isso que Nosso Senhor quis dizer? Me recordo da frase do Padre Paulinho (CSS) “Ninguém entra em um pulgueiro e não sai picado.” Jesus andava com as prostitutas! -Alguns afirmam. Sim, realmente, andava, falava, chamava à conversão, mas Ele era puro, Imaculado, Senhor dos sentidos e para conviver com elas não se vestia como elas, não falava como elas, antes sua vida era de renúncia e amor. Elas viram algo diferente nele em relação á outros homens, me desculpem as palavras que usarei, Jesus não foi até elas para ter um ato ou compartilhar do ato de uma prostituta, antes foi para dar luz! Então qualquer argumentação de que frequentamos tais locais, para ser “sal” é falso, assuma sua concupsciência e falta de renúncia, você frequenta determinados lugares onde o pecado abunda porque quer e não para salvar ninguém. Não se coloque no lugar de Nosso Senhor, dizendo Ele ia até estes lugares! Sim!Ele ia, mas também Ele pegou uma madeiro nas costas, foi flagelado, foi cuspido, sofreu... e não pecou nunca!

Esta relativização entra em nosso meio e vai querendo tocar o mais sublime da Doutrina, da Sacralidade de nossa fé, tornando Católicos em Protestantes internos, “camaleões” fingindo-se de Católicos, que com discusos relativistas, levam cada vez mais os que buscam a Verdade à mentira Relativista!

Livrai-nos Deus!

Por Junior Mathias

Voltar