Igreja Una Santa Católica e Apostólica


Padres da Igreja

15/09/2013 14:54

Chamamos de “Padres da Igreja” (Patrística) aqueles grandes homens da Igreja, aproximadamente do século II ao século VII, que foram no Oriente e no Ocidente como que “Pais” da Igreja, no sentido de que foram eles que firmaram os conceitos da nossa fé, enfrentaram muitas heresias e, de certa forma foram responsáveis pelo que chamamos hoje de Tradição da Igreja; sem dúvida, são  a sua fonte mais rica. Padre ou Pai da Igreja se refere a um escritor leigo, sacerdote ou bispo, da Igreja antiga, considerado pela Tradição como uma testemunha da fé.

Normalmente se considera o período da Patrística o que vai dos Apóstolos até S. Isidoro de Sevilha (560-536) no Ocidente; e até a morte de S. João Damasceno (675-749), no Oriente, o gigante que corajosamente combateu o iconoclasmo. Esses gigantes da fé católica ao longo desses sete séculos defenderam e formularam a fé, a liturgia, a catequese, a moral, a disciplina, os costumes e os dogmas cristãos; por isso são chamados de “Pais da Igreja” porque lhes traçaram o caminho.

Quando o Papa João Paulo II esteve no Brasil a primeira vez em 1981 se referiu a eles dizendo que “são eles os melhores intérpretes da Sagrada Escritura”. Então, precisamos conhecer os seus ensinamentos para podermos compreender melhor a Bíblia. Chamamos de patrologia o estudo sobre a vida, as obras e a doutrina desses Pais da Igreja. No século XVII criou-se expressão a “teologia patrística” para indicar a doutrina dos Padres.

Certa vez disse o Cardeal Henri de Lubac: “Todas as vezes que, no Ocidente tem florescido alguma renovação, tanto na ordem do pensamento como na ordem da vida – ambas estão sempre ligadas uma à outra – tal renovação tem surgido sob o signo dos Padres”.

Esses gigantes da fé e da Igreja, souberam fixar para sempre o que Jesus nos deixou através dos Apóstolos. Eles foram obrigados a enfrentar as piores heresias que a Igreja conheceu deste o seu início. Nesta luta eles amadureceram os conceitos teológicos uma vez que tiveram de enfrentar muitos hereges, de dentro da própria Igreja, especialmente  nos Concílios Ecumênicos. Neste combate árduo em defesa da fé, onde muitos foram perseguidos, exilados e até martirizados, eles formularam a fé que hoje professamos sem erro.

Desde o primeiro século já encontramos o gigante de Antioquia, Santo Inácio (107), provavelmente sagrado Bispo pelo próprio São Pedro. S. Inácio nos deixou as suas belas Cartas escritas às comunidades por onde passou no caminho que o levou ao martírio em Roma, no Coliseu, desde Antioquia. A caminho do martírio ele escreveu belas cartas aos romanos, magnésios, tralianos, efésios, erminenses e a S. Policarpo, bispo  e mártir de Esmirna. No segundo século encontramos o grande Santo Irineu de Lião (200) enfrentando os gnósticos que sorrateiramente penetraram na Igreja e ameaçavam destruir a fé cristã. Contra eles S. Irineu escreveu uma longa obra “Contra os Hereges”. Tão difícil foi esse combate que o Santo o comparou a alguém que precisa cortar todas as árvores de uma floresta para finalmente poder captar a fera que nela se esconde.

Os Padres da Igreja tiveram uma participação fundamental nos primeiros Concílios Ecumênicos, como o de Nicéia, no ano 325, que condenou o arianismo que negava a divindade de Jesus; o Concílio de Constantinopla I, em 381, que condenou o macedonismo que negava a divindade do Espírito Santo; e os outros concílios que enfrentaram e condenaram as heresias cristológicas e trinitárias.

Os Padres da Igreja estiveram um tanto esquecidos, mas a partir dos anos 40 surgiu na Europa, de modo especial na França, um forte movimento voltado à Patrística. Esse movimento foi liderado pelo Cardeal Henri de Lubac e Jean Daniélou, o qual deu origem à coleção “Sources Chréstiennes”, com mais de 300 títulos. No Concílio Vaticano II cresceu ainda mais esse movimento de redescoberta da Patrística por causa do desejo da renovação da liturgia, da exegese, da espiritualidade e da teologia a partir dos primórdios da Igreja. Foi a sede de “voltar às fontes” do cristianismo.

Desses Padres, alguns foram Papas, nem todos; a maioria foi bispo, mas há diáconos,  presbíteros e até leigos. Entre eles muitos foram titulados de Doutor da Igreja, sempre por algum Papa, por terem ensinado de maneira extraordinária os dogmas e as verdades da nossa fé.

S. Clemente de Roma (+102), Papa (88-97)

Santo Inácio de Antioquia (+110)

São Policarpo de Esmira (+156)

Pastor de Hermas (+160)

Aristides de Atenas (+160)

S. Hipólito de Roma (160-235)

São Justino (+165)

Militão de Sardes (+177)

Atenágoras (+180)

S. Teófilo de Antioquia (+181)

Orígenes de Alexandria (184-254)

Santo Ireneu (+202)

Tertuliano de Cartago (+220)

S. Clemente de Alexandria (+215)

Metódio de Olimpo (séc. III)

S. Cipriano de Cartago (210-258)

Novaciano (+257)

S. Atanásio (295-373), Alexandria

S. Efrém (306-373), diácono, Mesopotânia

S. Hilário de Poitiers (310-367) bispo e doutor, Poitiers.

S. Cirilo de Jerusalém (315-386) bispo e doutor, Jerusalém.

S. Basílio Magno (330-369) bispo e doutor, Cesareia.

S. Gregório Nazianzeno (330-379) bispo e doutor, Nazianzo.

S. Ambrósio (340-397), bispo e doutor, Treves-Itália.

S. Eusébio de Cesareia (340)

S. Gregório de Nissa (340)

Prudêncio (384-405)

S. Jerômo ( 348-420), presbítero e doutor, Strido, Itália.

S. João Crisóstomo (349-407), bispo e doutor, Antioquia.

S. Agostinho (354-430), bispo e doutor,  Tagaste-Tunísia.

S. Cirilo de Alexandria (370-442), bispo e doutor  Egito.

S. Pedro Crisólogo  (380-451), bispo e doutor, Imola-Itália.

S. Leão Magno (400-461), papa e doutor, Toscana, Itália.

S. Paulino de Nola (431)

Sedúlio (séc. V)

S. João Cassiano (360-435)

S. Vicente de Lerins (450)

S. Bento de Núrcia (480-547)

Venâncio Fortunato (530-600)

S. Ildefonso de Toledo (617-667)

S. Máximo Confessor (580-662)

 

As três causas mais frequentes apontadas por eles são:

1. O subjetivismo doutrinário que reina entre as várias denominações protestantes, em consequência do princípio ‘a Bíblia como única fonte da fé’, e do seu ‘livre exame’ por cada crente, o que dá margem a muitas interpretações diferentes para uma mesma questão de fé e de moral;

2. O re-estudo dos escritos dos Santos Padres, aqueles que contribuíram decididamente para a formulação correta da doutrina católica: a Santíssima Trindade, Jesus Cristo, a Igreja, os Sacramentos, a graça, etc., e que vão desde os apóstolos até S. Gregório Magno (+604) no Ocidente, e até S. João Damasceno (+749) no Oriente;

3. A definição do Cânon da Bíblia, isto é dos seus livros, que não é deduzida da própria Bíblia, mas da Tradição oral da Igreja. É a Igreja que abona a Bíblia e não o contrário. A análise profunda desses pontos têm mostrado a muitos pastores os enganos do protestantismo.

Revista: “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
D. Estevão Bettencourt, osb Nº 419 – Ano : 1997 – p. 146 a 160

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!