O Santíssimo Sacramento não é amado!

05/11/2013 14:36

“Infelizmente, Nosso Senhor, no Santíssimo Sacramento, não é amado – verdade patente. Não é amado em primeiro lugar por esses milhares de pagãos, de judeus, de infiéis, de cismáticos e de hereges que desconhecem, ou mal conhecem, a Eucaristia.” (São Pedro Julião Eymard)

Com a dureza da frase de São Pedro Eymard, grande apóstolo da eucaristia, entendemos o quanto o dom precioso de Deus é esquecido, ultrajado e profanado. Muitas vezes temos certo pudor de dizer que realmente, Jesus Eucarístico, não é amado! Pois, sabemos que aqueles que detem o ministério de trazer Cristo ao altar, são os primeiros a nos dar provas absurdas da sua falta de amor ao Senhor, presente neste sacramento.

Jesus não é um mentiroso! Quando Ele disse: - Isto é meu Corpo! Ele não estava brincando, ou simbolizando algo, mas estava entregando em nossas “mãos” sua carne e sangue. Aquele que nem os anjos sustentam é entregue nas mãos de homens!

Entre todas as heresias que atacaram a Igreja, nenhuma delas foi tão agressiva ao Corpo e Sangue de Cristo, como o protestantismo, que suprimiu o direito de cristãos comungarem, pois estes levados ao surto psicótico satânico do beberrão Martinho Lutero, hoje estão entregue as mais variadas, ilusões de fé e ausentes da Carne e Sangue de Cristo e se lermos o Evangelho de Nosso Senhor em João veremos: Então Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida.Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.” (Jo 6, 53-56)

Eu sempre me pergunto, quando alguém que se diz “cristão protestante” e lê João 6, de que forma ele cria uma interpretação, em sua conciência, para bular as escrituras ?

Narra se que Francisco de Assis passou a noite exclamando: O Amor não é Amado! Realmente a maior expressão de amor de Deus, sua entrega total não é amada, nem por aqueles que se “orgulham” de serem Católicos, que não descambaram para as heresias, absurdas ... pois, os protestantes negam e profanam a presença de Cristo no Santissimo, com palavras, murmurios e vã interpretações, enquanto que muitos católicos, por omissão, relaxo, falta de zelo e temor a Deus... Sempre imagino quão terrivél será nosso julgamento diante Dele! E o Senhor nos mostrar o quanto nos esperou no Sacrário!

Cada relato que descobrimos, em nossas Igrejas, por membros dela, sejam sacerdotes sejam leigos, que ultrajam a Cristo no sacramento, tratando o como um “pão bento”, coisa que nem mesmo um protestante na ceia, faz com o pão de forma que recebe do seu “pastor”. Que incrivél! Existe mais zêlo, com suco de uva e pão de forma, do que com a carne e sangue de Cristo... Misericórdia, o Santissimo Sacramento não é amado! Pesa o coração e doi na alma que reconhece Jesus no “partir do pão” os ultrajes a Eucaristia, quantos sacrários arrombados, hostias espalhadas pelo chão, padres jogando de um lado para o outro as espécies, hóstias sendo encontradas dentro de cofres de ofertas...

“ Ah! Se entres tantas mil criaturas em que Deus pôs um coração capaz de amar, quantos gostariam do Santíssimo Sacramento se lhes fosse dado conhece-lo, como eu o conheço! Não me cabe, portanto, ama-lo por elas e em seu lugar? E entre católicos, poucos, mui poucos pensam a Jesus no Santissimo Sacramento – quantos pensam nele, falam dele, adoram-no, recebem-no? E por que este esquecimento, esta frieza? Ah! Nunca provaram a Eucaristia, nem a suavidade, nem as delicias de seu Amor! Nunca conheceram a Bondade de Jesus e não suspeitam a extensão de seu Amor no Santissimo Sacramento.”(São Pedro Julião Eymard)

Muitos imaginam; Nosso Senhor do céu derramando seu amor, sua graça e seu perdão, mas tudo isso Ele o faz, mas não vêm do “céu” vem ali dos sacrários espalhados pelo mundo todo! Devemos tomar cuidado com o certo “deismo” em que Deus exista, mas não esta junto do seu povo, pelo contrário na Eucaristia temos a certeza da promessa: Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.” (Mt 28,20)

“ Ao instituir seu Sacramento, Jesus perpetuou os sacrificios de sua Paixão e condenou-se a sofrer. Um abandono tão doloroso quanto o que sofreu no Jardim das Oliveiras; a traição dos amigos e dos seus discipulos que se tornariam cismáticos, hereges, renegados ao ponto de vender as Santas Hóstias, ao mágicos... Ele perpetuava ainda as negações que tanto afligiram em presença de Anás; os furoses sacrilégios de Caifás; os desprezos de Herodes; a vileza de Pilatos; o vexame de ser preferido por uma paixão, um idolo de carne, como se viu preferido por Barrabás; a crucifixão sacramental no corpo e na alma do comungante sacrilego.” (São Pedro Julião Eymard)

“Diariamente estendo as mãos a um povo que me repele” (Rm  10,21)

Espero que esta pequena reflexão faça nascer em nossos corações um zêlo ardente pelo pão dos anjos e convoque a cada dia mais sentinelas eucaristicos, que com tamanho ardor possam gritar com São Pedro Julião Eymard: - Ou Eucaristia ou a morte!

 Por Junior Mathias

Leia também : Sacramento da Eucaristia

Voltar