O Mundo tem o "papa que não peca". Nós temos um "Papa pecador!"

02/06/2013 11:31

Em mais uma “bomba midiática” a imprensa brasileira desesperada por notícias com a aproximação da JMJ Rio 2013, e com as Copa das Confederações beirando o fiasco (ante os estádios inacabados e os problemas estuturais das cidades sedes) resolveu dar ênfase a uma frase do Papa Francisco de que ele tem pecados “e ele tem muitos”.

Primeiramente a mídia para (des)informar coloca uma cortina de fumaça sobre o Papa, demonstrando imagens bonitas, entrega de solidéu, beijinho nas crianças para depois colocar a declaração. Mas qual o motivo da preparação?

Simples, a grande mídia faz questão de apresentar o Papa Francisco como OPOSITOR a Bento XVI. O motivo é claro: Um Papa “arejado”, “caloroso”, não um “nazista de branco, frio e fechado”, apresentando a imagem “viu católicos, como vocês devem ser, cordiais, pacíficos, e cordeirinho, enquanto nós fazemos a cabeça da sociedade vocês só tem que rezar...” Mais isso é outro assunto...

 

Bom... Vamos a declaração.


Veja aqui
 

(http://oglobo.globo.com/mundo/papa-francisco-admite-que-todos-tem-pecados-inclusive-ele-8536980)

 

e aqui
 

(http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/05/papa-francisco-surpreende-fieis-e-afirma-que-ja-pecou.html)

 

Papa Francisco admite(1) que todos têm pecados, inclusive ele

ROMA — Em mais um gesto de ruptura com a tradição da Igreja Católica(2), o Papa Francisco admitiu - após cumprimentar fieis na Praça de São Pedro (3), nesta quarta-feira -, que todos têm pecados, incluindo ele próprio. Debaixo de uma chuva torrencial, Francisco tinha havia acabado de dar a volta na praça quando, após se secar, declarou que muitos dos pecados cometidos pelo Pontífice recebem o perdão de Deus(4).


 

- A Igreja também tem aspectos humanos e aqueles que pertencem a ela, seus pastores e fieis, também têm pecados. Até o Papa tem, e ele tem muitos - disse (5), diante de uma multidão de 90 mil pessoas. - Não se esqueçam: Deus sempre perdoa e nos recebe em seu amor de perdão e misericórdia. Porque seu projeto é fazer da Humanidade e da Igreja uma única família.

Sorrindo antes de começar o sermão da Audiência Geral, Francisco afirmou ainda que os fieis que estavam ali, sob aquela chuva, eram corajosos. E lembrou que não basta acreditar apenas em Deus.

- A Igreja é uma família que se ama e onde se é amado. Mas há alguns que dizem: ‘Cristo sim, a Igreja não’. É o mesmo que aqueles que afirmam: ‘Eu creio em Deus, mas não nos padres”(6).

 

Comentários

 

1 - Papa ADMITE: Para que se admita, antes, se deve ter NEGADO, consciente ou inconscientemente. Bom, espanto para mim (e para todos os católicos do mundo) seria se ele fizesse a afirmação: “Eu não peco”.


 

2 - Ruptura com a Tradição da Igreja? Dou o desconto para o jornalista que escreveu isso, pois tenho a certeza que ele nunca leu a Bíblia ou o Catecismo da Igreja Católica... A bíblia nos ensina (I Jo, 1, 8-10) que:


 

“8. Se dizemos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos, e a Verdade não está em nós.

9. Se reconhecemos os nossos pecados, Deus, que é fiel e justo, perdoará nossos pecados e nos purificará de toda injustiça.

10. Se dizemos que nunca pecamos, estaremos afirmando que Deus é mentiroso, e a sua palavra não não estará em nós.”

 

Nem o Catecismo da Igreja Católica, no seu canôn 827:

 

“827. “Enquanto que Cristo, santo e inocente, sem mancha, não conheceu o pecado, mas veio somente expiar os pecados do povo, a Igreja, que no seu próprio seio encerra pecadores, é simultaneamente santa e chamada a purificar-se, prosseguindo constantemente no seu esforço de penitência e renovação” (Nota 01). Todos os membros da Igreja, inclusive os seus ministros, devem reconhecer-se pecadores (Nota 02). Em todos eles, o joio do pecado encontra-se ainda misturado com a boa semente do Evangelho até ao fim dos tempos (Note 03). A Igreja reúne, pois, em si, pecadores abrangidos pela salvação de Cristo, mas ainda a caminho da santificação:


 

A Igreja “é santa, não obstante compreender no seu seio pecadores, porque ela não possui em si outra vida senão a da graça: é vivendo da sua vida que os seus membros se santificam; e é subtraindo-se à sua vida que eles caem em pecado e nas desordens que impedem a irradiação da sua santidade. É por isso que ela sofre e faz penitência por estas faltas, tendo o poder de curar delas os seus filhos, pelo Sangue de Cristo e pelo dom do Espírito Santo» (Nota 04).”


 

Nota 01 - II Concílio do Vaticano, Const. dogm. Lumen Gentium, 8: AAS 57 (1965) 12; cf. In. Decr. Unitatis redintegratio, 3: AAS 57 (1965) 92-94; Ibid. 6: AAS 57 (1965) 96-97.

 

Nota 02 - Cf. 1 Jo 1, 8-10.
 

Nota 03 - Mt 13, 24-30.

 

Nota 04 - Paulo VI, Sollemnis Professio fidei, 19: AAS 60 (1968) 440.


 

3 - Viram a “cortina de fumaça” sempre que há uma notícia relacionada ao Papa Francisco. Passem a observar as notícias e vejam vocês mesmos.

 

4 - Bom, lendo o discurso não essa frase do Papa, de que seus pecados são “perdoados diretamente por Deus ou seus pecados são ‘vistos’ por Deus”. Sabe o motivo de não ter visto? Porque ele não falou isso! Pois a confissão pessoal e particular é ordinária a todos, sendo a exceção a “absolvição coletiva” (Isso veremos em post próprio depois).

 

5 - Portanto, ao contrário do que diz a reportagem, o Papa não apresenta nenhum ruptura, mas sim que está EM ABSOLUTO ACORDO com a Tradição... Esse é um verdadeiro exemplo de reportagens que ‘des’informam o povo e fazem com que aqueles que não gostam da Igreja Católica tenham uma imagem contrária a real fé Católica.
 

6 - Enfim uma frase em manipulação ou inversão ao que foi de fato dito.
 

OBS.: Por favor, acaso se você leu a postagem até o final e se perguntou "Mas o Papa não é infalível pelo dogma da "infabilidade Papal"? Bem, peço que primeiro entenda o dogma, no que ele consiste, qual a sua importância, quais as suas condições e principalmente leia em fontes confiáveis como a Constituição Dogmática Lumen Gentium para só então começarmos a conversar.


Que Deus nos dê o dom do discernimento para ver com clareza os objetivos de certas notícias. Amém!

 

Por Marco Antonio

Voltar