O LADO NEGRO DA REFORMA PROTESTANTE

01/10/2014 19:16

Lutero, Ulrico Zwinglio, Guilherme Farel, João Calvino, John  Knox e tantos outros... o que de fato sabemos sobre essas pessoas? Foram eles grandes homens de Deus que marcaram a história a partir do século XIII? Foram eles os divisores de água  entre a igreja medieval e a igreja contemporânea? Foram eles os precursores da verdadeira igreja de Cristo?

 

Indubitavelmente, a grande maioria da classe “evangélica” diria que sim, atribuindo a eles todo mérito e ascendendo-os ao mais alto posto de heróis do povo de Deus, homens cujas honras são intocáveis, santos acima de qualquer suspeita, imaculados e irrepreensíveis.

 

Seria esta a verdadeira face da história? Foi de fato tudo revelado à igreja em suas escolas bíblicas dominicais, em seus seminários, em seus acampamentos, em seus congressos? Será que o povo de Deus tem conhecimento de tudo mesmo?

 

No dia 31 de outubro, é celebrado o dia da reforma protestante, isto porque neste dia Lutero  fixou as suas 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, Alemanha. Neste dia muitas igrejas evangélicas se reúnem em praças públicas, para celebrar este pseudo “marco” na história da "igreja". O que muitos não sabem é que neste mesmo dia, o mundo está também celebrando algo muito importante para eles, o dia das bruxas, ou dos mortos, ou do inferno.

Nesse dia muitas crianças são raptadas, tiradas de suas famílias, separadas de seus pais e sacrificadas em rituais macabros, por satanistas. Enquanto mães aflitas choram a perda de seus filhos, enquanto gritos de desespero chegam ao trono de Deus, das indefesas crianças das quais Deus tira o perfeito louvor; enquanto isso, cegos, guiados por outros cegos, estão com as mãos levantadas em grandes concentrações, embalados por alguma banda de rock gospel dizendo estar "adorando" a Deus.

E Ele está dizendo: "As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer".

 

Por isso, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei, porque as vossas mãos estão cheias de sangue.

Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal.”

 

Acha mesmo que é uma triste coincidência? Ou esqueceis que este mundo jaz no maligno, e que o mesmo orquestra a maioria das coisas que nele acontece?

 

Se queriam escolher uma data que fosse marcante para a “reforma”, muitos outros acontecimentos foram mais significativos do que este, como por exemplo o dia que Lutero queimou a sua carta de excomunhão. (em 12 de dezembro, da queima da bula, que já tinha expirado há 120 dias, e o decreto papa de Wittenberg, defendendo-se com seus "Warum des Papstes und seiner Jünger Bücher verbrannt sind" e "Assertio omnium articulorum". O Papa Leão X excomungou Lutero a 3 de janeiro de 1521, na bula "Decet Romanum Pontificem".).

 

REFORMA INQUISIDORA

 

Quando Jesus, nos deu o “IDE”, ele nos advertiu que o evangelho  deveria ser pregado; “ nem por força e nem por violência”, se assim o fosse, Ele próprio teria poder para convencer e forçar a toda humanidade, a que cressem e aceitassem o seu nome.  Obviamente que não é esta a metodologia divina. Ele disse aos discípulos, se alguém não vos receber, retirem-se daquela casa, Ele não disse queimem a casa, matem os moradores.  Os “reformadores, ignoraram as leis mais elementares da santa palavra, “não matarás”, ou “não por força nem por violência”. Estes homens, cometeram as piores torturas, os piores atos contra o semelhante que se possa imaginar, é comum ouvirmos da inquisição católica, mas porque os nosso líderes ocultam ao povo que os reformadores também instituíram suas inquisições, igualmente sangrentas, igualmente desumanas, igualmente perversas, a intolerância era o que se servia aos resistentes, a morte era o que se dava aos contrários, a dor e a tortura, era a ordem para os diferentes. Como imaginar alguém cheio do espírito Santo, agindo desta maneira, como admitir que tal ação era direção de Deus, teria Ele dois pesos e duas medidas? Estaria Ele agindo diferente, a medida que os séculos mudavam? Quando Ele restaurou a orelha de Malco, ferida por Pedro, e mandou que o mesmo guardasse sua espada, estaria agora dizendo que os “malcos deveriam ter suas orelhas, seus pescoços, suas cabeças decepadas? Claro que não, o Senhor, nunca sofreu e nem sofrerá nenhuma sombra de variação, Ele é o mesmo sua palavra não mudou e nem mudará.

 

Suíça
O descobridor da circulação do sangue foi queimado em Genebra, por ordem de Calvino. No distrito de Thorgau, um missionário zwingliano liderou um bando protestante que saqueou, massacrou e destruiu o mosteiro local, inclusive a biblioteca e o acervo artístico-cultural.

 

Alemanha
Bandos protestantes esfolaram os monges da abadia de São Bernardo, em Bremen, passaram sal em suas carnes vivas e depois os penduraram no campanário.

 

Em Augsburgo, em 1528, cerca de 170 ANABATISTAS foram aprisionados por ordem do Poder Público. Muitos foram queimados vivos; outros foram marcados com ferro em brasa nas bochechas ou tiveram a língua cortada.

 

Escócia

Durante um período de seis anos, John Knox, pai do presbiterianismo, mandou queimar na fogueira cerca de 1.000 mulheres, acusadas de bruxaria.

 

O saque de Roma

O Saque de Roma foi um dos episódios mais sangrentos da Reforma Protestante.

No dia 6 de maio de 1527, legiões luteranas do exército imperial de Carlos V invadiram a cidade. Um texto veneziano, daquela época, afirma que: “o inferno não é nada quando comparado com a visão da Roma atual”. Os soldados luteranos nomearam Lutero “papa de Roma”. Todos os doentes do Hospital do Espírito Santo foram massacrados em seus leitos.

Os palácios foram destruídos por tiros de canhões, com seus habitantes dentro. Os crânios dos Apóstolos São João e Santo André serviram para os jogos esportivos das tropas. Centenas de cadáveres de religiosas, leigas e crianças violentadas – muitas com lanças incrustadas na região genital – foram atirados no rio Tibre. As igrejas, inclusive a Basílica de São Pedro, foram convertidas em estábulos e celebraram-se missas profanas.

CALVINO NA INQUISIÇÃO

 

1- Calvino ao Organizar sua igreja instituiu duas comissões: a "Veneravel Companhia", dos pastores e doutores encarregada do magistério e o "Consistório", composto de pregadores e 12 senadores leigos que tinham a tarefa de zelar pela disciplina, a semelhança da Inquisição Medieval, sendo esta mais agressiva em seus julgamentos. Esta comissão visitava as casas e servia-se de denuncia e espionagem paga, os réus gravemente culpados se persistissem no erro eram entregue ao tribunal. Este proferiu de 1541 a 1546 58 sentenças de mortes, a tortura era aplicada com frequência. (PR, n.320/1988,pg19)

 

2- Calvino declarou guerra aos humanistas, que eram libertinos no plano moral; Luero os aceitara porque ao menos combatiam o Papado.

 

3- Calvino chegou a uma ruptura mais radical do que Lutero. O Deus de Lutero era amor e misericórdia; o de Calvino era juiz supremo, sem apelo. A misericórdia divina da doutrina luterana foi substituida pela "lei" de Calvino. É a ela que o crente deve adaptar a sua vida. Calvino não receia deduzir que os "eleitos" são a minoria e os réprobos a maioria;

 

4- Os calvinistas se tornaram em primeiros tempos inimigos da ciência, da arte e literatura, convebendo uma verdadeira fobia do prazer.Os adversários do sistema foram reduzidos ao silêncio mediante duras punições. O medico Jerônimo Bolsec, proveniente de Paris, que ousara sublevar-se contra a doutrina de Calvino sobre a predestinação, foi exilado em 1551

 

5- Calvino, pai dos Presbiterianos era intolerante e não tinha piedade para com os mau pensamentos. Mandou para a fogueira um grande sábio, o humanista e médico Miguel Servet Grizar, que descobrira a circulação do sangue,por dizer que o descobrimento dele era antibíblico, por manifestar simpatia pelos ANABATISTAS e porque negava o dogma da Trindade. Calvino mandou para a fogueira também muitos outros estudiosos e cientistas.

 

6- João Calvino governou com mão-de-ferro, transformou Genebra numa oligarquia religiosa, proibiu os moradores de praticar hábitos como dançar, jogar, ir ao teatro etc. Durante os quatro primeiros anos de governo houve nada menos, nada mais do que 58 execuções. Segundo Preserved Smith, houve mais casos de vício em Genebra depois da reforma do que antes.

 

7- No governo de Calvino em Genebra, o adultério era punido com a MORTE; as comunidades Calvinistas de Paris, Lyon, Orleans, Ruan, Angey num sínodo geral em 1559 decretaram PENA DE MORTE a todos os hereges.

 

8- Na reforma protestante, houve intolerância religiosa dos calvinistas com os Católicos, e uma terrível perseguição à feitiçaria. Em 1560 o Parlamento Escocês decretou PENA DE MORTE a todos os católicos. Escócia: O poder civil aboliu por lei o catolicismo e obrigou todos a aderir à igreja “calvinista presbiteriana“. Os padres permaneceram, mas tinham de escolher outra profissão. Quem era encontrado celebrando Missa era condenado à morte. Católicos recalcitrantes foram perseguidos e mortos, igrejas e mosteiros arrasados, livros católicos queimados. Tribunais religiosos (inquisições) foram criados para condenar os católicos clandestinos. ( Westminster Review, Tomo LIV, p. 453 )

 

9- O Protestante Teodoro Bessa, em 1554, pediu o uso da força pública contra os católicos.

 

10- A Reforma Calvinista incentivou os holandeses na sua luta contra a Espanha e os escoceses na sua luta contra os seus próprios monarcas, os Stuarts, e também contra os ingleses; Holanda: Aqui foram as câmaras dos Estados Gerais a proibir o catolicismo. Com afã miserável tomaram posse dos bens da Igreja. Martirizaram inúmeros sacerdotes, religiosos e leigos. Fecharam igrejas e mosteiros. A fama e a marca destes fanáticos chegou até ao Brasil.

 

11- Em 1645 nos municípios de Canguaretama e São Gonçalo do Amarante ambos no atual Rio Grande do Norte cerca de 100 católicos foram mortos entre dois padres, mulheres, velhos e crianças simplesmente porque não queriam se “batizar“ na religião dos invasores holandeses. Foram beatificados como mártires este ano.

 

12- Em 1570 foram enviados para o Brasil para evangelizar os índios o Pe Inácio de Azevedo e mais 40 jesuítas. Vinham a bordo da nau “S. Tiago“ quando em alto mar os interceptou o “piedoso“ calvinista Jacques Sourie. Como prova de seu “EVANGÉLICO" zelo mandou degolar friamente todos os padres e irmãos e jogar os corpos aos tubarões (Luigi Giovannini e M. Sgarbossa in Il santo del giorno, 4ª ed. E.P, pg 224, 1978

 

13- A perseguição contra os Católicos, na Inglaterra e na Irlanda, foi dominada pela mais escancarada intolerância religiosa. Veja alguns artigos do código inglês para a Irlanda:

- "O Católico que ensinar a um outro católico ou protestante será enforcado"

- "Isolamento Perpétuo a todo sacerdote católico, quem desrespeitar o isolamento seja ele enforcado imediatamente e logo esquartejado"

- "Se um católico adquirir terras, todo protestante tem o direito de despejá-lo".

 

14- Os camponeses da Irlanda pegaram em armas para defender o catolicismo. Foram trucidados impiedosamente pelos exércitos de Cromwell. Ao fim da guerra, as melhores terras irlandesas foram entregues aos ingleses protestantes e os católicos forçados a migrar para o sul do continente. Cerca de 1.000.000 de pessoas morreram de fome no primeiro ano do forçado exílio. Esta guerra criou uma rivalidade entre ingleses protestantes e irlandeses católicos que dura até hoje.

 

15- Em 1555 o consistório de Genebra recebe do conselho da cidade o direito de excomungar. Durante dez anos Calvino reina como senhor supremo, sendo que para ele, há uma necessidade da igreja pregar a palavra de Deus mas o estado reinar com dureza e ordem.

 

17- Até as comemorações do Natal e da Páscoa eram rigorosamente proibidas. O calvinismo expandiu-se pela maior parte da Europa onde o comércio e as finanças eram atividades preponderantes.

 

18- Quando morre Calvino, o mapa religioso da Europa parecia um espelho quebrado, deformando a imagem da Igreja. O Imperador alemão, cansado de guerras, reconhece que os súditos deveriam acatar a religião de acordo com cada região alemã.

 

19- Calvino chegou a uma ruptura mais radical do que Lutero. O Deus de Lutero era amor e misericórdia; o de Calvino era juiz supremo, sem apelo. A misericórdia divina da doutrina luterana foi substituída pela "lei" de Calvino. É a ela que o crente deve adaptar a sua vida. Calvino não receia deduzir que os "eleitos" são a minoria e os réprobos a maioria.

 

20- A Igreja Calvinista benzia a nova ética burguesa; Calvino levou muito mais longe do que Lutero o individualismo religioso: para ele, cada crente devia aplicar todas as suas forças a fim de atingir a felicidade pessoal. A sua Igreja era uma Igreja de eleitos e predestinados.

 

21- O calvinismo "santificava" todas as ignomínias da acumulação capitalista e também o desprezo e a crueldade para com os pobres "reprovados" por Deus.

LUTERO NA INQUISIÇÃO

 

1- Enquanto Lutero se conservava em 1534 em Wartburg, a agitação crescia na Alemanha. Apareceu a corrente dos ANABATISTAS, que interpretavam ousadamente o pensamento de Lutero, negando o batismo de crianças e batizando de novo os adultos e preconizavam uma "igreja de santos"; posto a par da situação Lutero voltou a Wittenberg. Conseguiu com o apoio do braço secular restabelecer a ordem em Wittenberg. Mas teve de enfrentar a revolta dos camponeses (1524-25) que esmagados por tributos valiam-se da proclamação da liberdade frente aos senhores civis e eclesiásticos. Tomas Munzer, chefe dos ANABATISTAS, incitava os camponeses à revolta. Lutero optou pela sufocação violenta dos revoltosos e Tomas Munzer foi decapitado.

 

2- Lutero em 1525 escreve aos nobres: "Matem quantos camponeses puderem. Tomem, peguem, degolem quem puder. Felizes serão se morrerem unidos em obediência à Palavra Divina." Nesta época mais de 100.000 lavradores camponeses pereceram.

 

3- Na Alemanha de Lutero foram queimadas mais de 100.000 bruxas. Ate crianças de até 7 anos e anciões moribundos não eram poupados. Um juiz protestante sozinho condenou a morte em 16 anos de 800 bruxas (Uma média de 50 por ano).

 

4- A oposição de Lutero contra os ANABATISTAS, causou a morte de milhares de pessoas.

 

5- Difundiram-se ideias novas entre os ANABATISTAS: falou-se de "Revolução Pacífica" e isso foi a espera passiva da segunda vinda de Cristo. Mas, em determinadas seitas, essas ideias associaram-se a apelos e atos de violência que deveriam purificar o mundo dos "infiéis" antes da chegada do Messias.

 

6- Nas fronteiras do Luteranismo e frequentemente, contra ele, desenvolviam-se movimentos violentos. Exemplo disso foram os ANABATISTAS, para quem não se tratava apenas de negar o batismo dado às crianças, mas pretendiam criar uma sociedade comunista, liberta de padres e príncipes.

 

7- Em 1534, um grupo de ANABATISTAS apoderaram-se do governo da cidade episcopal de Munster, na Vestfália, tornando-a uma "Nova Jerusalém" onde foram postas em prática todas as fantasias acumuladas do setor lunático do movimento. As propriedades foram confiscadas e introduziu-se a poligamia.

 

8- Alemanha: Na época era dividida em Principados. Como havia muitos conflitos entre eles, chegaram ao acordo em que cada príncipe escolhesse para os seus súditos a religião que mais lhe conviesse. Princípio administrativo do “cujus regio illius religio“. Os príncipes não se fizeram rogar. Além da administração mundana, passaram também a formular e inventar doutrinas. A opressão sangrenta ao catolicismo pela força armada foi a consequência de semelhante princípio. Cada vez que se trocava um soberano o povo era avisado que também se trocavam as “doutrinas evangélicas“ (Confessio Helvetica posterior ( 1562 ) artigo XXX ).

 

9- Relata o famoso historiador Pfanneri: “uma cidade do Palatinado desde a Reforma, já tinha mudado 10 vezes de religião, conforme seus governantes eram calvinistas ou luteranos“ ( Pfanneri. Hist. Pacis Westph. Tomo I e seguintes, 42 apud Doellinger Kirche und Kirchen, p. 55)

 

ZWGLIO NA INQUISIÇÃO

 

1- Zwínglio caracterizava-se por um humanismo, um radicalismo e também um racionalismo estranhos ao luteranismo. A piedade para Zwínglio é sobretudo social;

 

2- As autoridades, interessadas na reforma, viam nela um meio de realizar os seus fins políticos, sociais e econômicos, para maior bem da oligarquia local. Esta reforma teve um chefe eminente na pessoa de Ulrich Zwinglio (1484 - 1531). Participou pessoalmente na guerra iniciada por Zurique contra os cantões florestais;

 

3- Em 1525 Tomás Munzer pregava uma luta a ferro e fogo contra o clero católico e os camponeses começaram a saquear e a incendiar mosteiros e castelos, até a assassinar alguns dos seus adversários mais odiados;

 

4- Em 1528, na Suíça estourou uma guerra civil, entre Protestantes e Católicos, ao cabo de dois anos.

 

5- -Em 1531 os Protestantes concordaram em que a escolha de uma religião para cada zona da Suíça fosse feita pelos governos cantonais;

 

INTRIGAS

"Intrigas", talvez fosse a palavra mais adequada para classificar o relacionamento dos reformadores entre si. Um dizia do outro "este é completamente cheio de demônios","acusando-se mutuamente. Para eles os demais eram sempre movidos por demônios e alguns se regozijavam e se alegravam ao saber da morte de seus contemporâneos, sobretudo se esta fosse dolorosa.

 

OCULTISMO

Encontramos em um site rosacruziano o nome de Lutero no rol de seus membros mais ilustres. Estaria de fato Lutero ligado a ordens secretas, envolvido em todos os seus rituais, compartilhando de todas as suas crenças? Saiba que não é estranho encontrarmos nomes de pastores no rol de ordens como rosa cruz ou maçonaria. De todo modo veja você mesmo o símbolo de Lutero e o da ordem rosa cruz.

 

A Maçonaria e o Cristianismo

ESTATUTOS

 

Em 1723 foi publicado o primeiro estatuto da novel organização (A Grande Loja de Londres) conhecido mundialmente como "Constituições de Anderson", por ter sido compilada e redigida pelo Rev. Presbiteriano James Anderson (1680-1739). Outros dizem ser as "Constituições" obra de seu prefaciador, o Rev. Anglicano João Teófilo Desaguliers (1683 - 1744) de família huguenote francesa que emigrou para a Inglaterra após a revogação do Édito de Nantes.

 

INFLUÊNCIA PROTESTANTE

 

É inegável que a Maçonaria Moderna foi organizada sob influencia protestante. Os redatores do primeiro Estatuto (Anderson e Desaguliers) por suas crenças, não poderiam deixar de introduzir princípios evangélicos na nova organização, principalmente devido ao fim a que ela se destinava. Provavelmente devido a tais princípios, a Maçonaria se desenvolveu muito nos países onde predominava a influencia protestante (Inglaterra. Alemanha e América do Norte), propagando-se depois para o resto do mundo.*

 

A MAÇONARIA E OS BATISTAS NO BRASIL

 

Os emigrados dos EUA que se estabeleceram em Santa Bárbara em São Paulo fundaram em 10/09/1871 a Igreja Batista em Santa Bárbara (4. pg. 230), a primeira Igreja Batista estabelecida em solo brasileiro (Pr. Richard Ratcliff), fundaram também em 1874 a Loja Maçônica "George Washington" (4, pg. 44), onde se encontravam cerca de oito batistas sendo que pelo menos cinco deles foram também fundadores da Primeira Igreja, entre eles estava o Pr. Robert Porter Thomas.

 

O Pr. Thomas foi interino por diversas oportunidades tanto na Primeira Igreja quanto na Igreja da Estação (2a), fundada em 02/11/1879 (Pr. Elias Hoton Quillin). O pastorado interino do Pr. Thomas nas duas Igrejas somou cerca de 25 anos de profícuo trabalho, sendo o que mais tempo pastoreou tais igrejas.

 

Em 12/07/1880, a pedido da Igreja da Estação, foi formado um Concílio reunindo as duas Igrejas, para Recepção e Consagração ao Ministério do Irmão Antônio Teixeira de Albuquerque, tendo sido batizado pelo Pr. Thomas. Foi moderador do Concílio que se realizou no salão da Loja Maçônica, o Pr. Ouillin, conforme se descreve na carta subscrita pelo moderador e pelo secretário do Concílio (4, pg. 249 - tradução e pg. 407 fac-símile do original) ao Foreign Mission Board of fhe Soufhern Baptist Convention (Richmond, VA., U. S.A. ).

 

Destaco o fato curioso de que o Primeiro Pastor Batista Brasileiro, além de ter sido batizado por um Pastor que era Maçom foi ainda consagrado ao Ministério da Palavra no salão da Loja Maçônica.

 

Importante recordar que a Igreja em Santa Bárbara era uma igreja missionária. Foi ela que insistiu e conseguiu, que a "Junta de Richmond" nomeasse missionários para o Brasil, estabelecendo-se então em Sta. Bárbara a "Missão Batista no Brasil". O primeiro missionário foi o Pr. Ouillin (1878), com sustento próprio. Seguiram-se, sustentados pela "Junta": Bagby (1880), Taylor (1882), Soper (1885), Putheff (1885) e outros sendo que Bagby, Soper e Putheff foram pastores da Igreja em Sta. Bárbara, que tinha entre seus membros, um expressivo grupo de maçons.

 

Em 1921, Salomão Luiz Ginsburg, Missionário da Junta de Missões Estrangeiras de Richmond, publicou o seu livro "Um Judeu Errante no Brasil ", sua autobiografia. Encontra-se em algumas partes de seu relato a descrição de sua condição de Maçom (5, pg. 82 e 83 ).**

 

Da imensa obra de Ginsburg desejo destacar poucos tópicos. Foi Ginsburg o editor do primeiro Cantor Cristão (16 hinos) em 1891 e na edição atual do referido Cantor ele aparece como Autor ou Tradutor de 102 hinos. Destaco ainda, conforme nos informa o Pr. Ebenezer Soares Ferreira (veja O Jornal Batista nº 30 de 24/07/94), Ginsburg foi o fundador, na cidade de São Fidélis no Estado do Rio de Janeiro, da Loja Maçônica Auxílio à Virtude (02/07/1894) e da "Egreja DE CHRISTO, CHAMADA BATISTA" (27/07/1894). que foi a primeira Igreja Batista em São Fidélis Segundo o mesmo autor (9, pg. 64), o primeiro Templo Batista construído no Brasil, foi o da Primeira Igreja Batista de Campos, edificado sob o pastorado de Salomão Ginsburg e com a colaboração financeira dos Maçons.

 

O Pastor José de Souza Marques, que foi Presidente da Convenção Batista Carioca e da Convenção Batista Brasileira, tendo em 1940, na Convenção da Bahia, organizado a Aliança dos Pastores Batistas Brasileiros, que mais tarde tomou o nome de Ordem dos Ministros Batistas do Brasil, permanecendo em sua Presidência até 1962, cujo fruto todos conhecem, exerceu cargos importantes na administração maçônica, tendo sido inclusive presidente, por muito tempo, do Supremo Tribunal de Justiça Maçônica. Ainda hoje, a única foto existente no Salão do Conselho do Palácio Maçônico do Lavradio, é a do Pr. Souza Marques. No mesmo Palácio, a sala de Tribunal de Justiça tem o nome de José de Souza Marques. Foi também Membro Efetivo do Supremo Conselho do Brasil para o Rito Escocês Antigo e Aceito, encontrando-se em sua sede em exposição, um retrato pintado a óleo do Pastor Souza Marques.

 

Inúmeros outros Homens de Fé, verdadeiros cristãos, inclusive batistas de relevância na Denominação, têm sido maçons sem encontrar incompatibilidades entre a Fé Cristã e a prática Maçônica. ***

 

Entre os cismáticos devemos destacar o Ex. Ministro presbiteriano Eduardo Carlos Pereira, que no início do século, com a oposição aos Maçons dentro da Igreja Presbiteriana, conseguiu separar-se com seus seguidores estabelecendo a Igreja Presbiteriana Independente. O tema tem sido tratado em muitas Igrejas, sempre visando provar que a Maçonaria é Seita ou Religião, para poderem assim combatê-la com facilidade no meio Cristão. O maçom Rev. Presbiteriano Jorge Buarque Lyra, respondeu à altura as questões postas por Eduardo Pereira".

 

NOTAS

 

* Bruno de Bonis é cristão evangélico, diácono da Igreja Batista do Méier, no Rio de Janeiro, membro ativo da Loja Maçônica Trabalho e Liberdade n° 1391, filiada ao Grande Oriente Estadual do Rio de Janeiro (GOB).

 

** Salomão Luiz Ginsburg fundou, em 1902, o Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, o qual, no próximo ano estará comemorando o seu Centenário, inclusive com a realização da Assembleia Anual da Convenção Batista Brasileira nesta Cidade do Recife como parte da efeméride. Salomão Ginsburg foi membro da "Duke de Clarence Lodge, na Cidade de Salvador, da , Restauração Pernambucana, em Recife e, na jurisdição da Grande Loja Maçônica do Estado do Espírito Santo é patrono da  Loja nº 3 - Loja Salomão Ginsburg.

 

** David Mein, reitor do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, durante quarenta anos, Pastor da Igreja Batista do Cordeiro (segunda Igreja Batista fundada na Capital), Presidente da Convenção Batista Brasileira em várias oportunidades, foi maçom atuante, membro da Loja Cavaleiros da Cruz.

 

**** A obra "Antimaçonaria e os Movimentos Fundamentalistas do Fim do Século XX". de autoria de Descartes de Souza Teixeira, cristão batista, maçom ativo, membro da Grande Loja Maçônica de São Paulo, traça um perfil detalhado dos movimentos antimaçônicos entres os evangélicos.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

 

1 - Aslan, Nicola, A Maçonaria Operativa, Editora Aurora Ltda, Rio de Janeiro (RJ), 1979.

2 - Constituições dos Franco-Maçons de 1723 (As), Reprodução do original e tradução de João Nery Guimarães, Editora A Fraternidade, São Paulo (SP), 1982.

3 - Autores Diversos, O Cantor Cristão, JUERP, Rio de Janeiro (RJ), 1971,4a. edição com música.

4 - Oliveira, Betty Antunes de, Centelha em Restolho Seco, Edição da Autora, Rio de Janeiro (RJ), 1985.

 

Fonte: http://www.pr.gonet.biz/kb_read.php?pref=htm&num=2798 

Voltar