Cantores seculares na JMJ Rio 2013?!

28/06/2013 19:13

Vendo o bafafá que está ocorrendo nas redes sociais sobre os cantores seculares cantarem na Jornada Mundial da Juventude comecei pensar no quão difícil é a vida de um músico católico.

Posso falar disso por que tenho muitos amigos que são músicos católicos ou seculares (visto que eu também já me aventurei a tocar em um ministério bem no começo de minha caminhada e hoje nem sei quais são as cordas do violão).

Fiquei pensando na batalha que é pra se formar um músico, porque se ele tem dom tem que ser sempre aprimorado, com cursos e com muita força de vontade.

Me lembro dos ministérios dos meus amigos, as dificuldades deles em ter de comprar um violão legal, uma caixa de som que não parecesse uma colmeia de abelhas, em ter que enrolar fitas adesivas nos cabos por causa de mal contato.

Enfim, eu não sou contra a pessoa do Luan Santana, Fafá de Belém, nada contra as pessoas deles, mas como músicos não! Não são a favor por vários motivos.

Quantos deles se preocuparam com a Jornada Mundial?

Quantos deles realmente estão ansiosos para ver o Papa Francisco entrar naquele local onde o coração da Igreja estará, pois onde está Pedro aí está a Igreja, já dizia Santo Ambrósio.

Quantos deles cantam todo domingo, sem ganhar um mísero real, tendo que levar o próprio instrumento correndo o risco de quebrar, de estragar, de queimar?

Quantos deles vão ensaiar madrugada adentro, porque teve de trabalhar para poder sustentar o sonho de um dia viver de música?

Tenho amigos músicos que pararam de tocar na igreja porque queriam fazer valer o dom que Deus lhes deu! Eu os julgo? Jamais! Sabe por quê? Porque quando temos que dar estas oportunidades procuramos fora, é a maldita baixo auto estima católica no Brasil que assola todas as comunidades. E olha que conheço músicos muito melhores que os seculares, que tem que deixar de tocar em igrejas porque não tem oportunidade.

E os amigos que tocam na igreja? Meu Deus! Cuida deles, por favor! Todo o dia é matando um leão pra sobreviver, buscando a cada dia aperfeiçoar o dom que Deus lhes deu. Muitos não conseguem nem vender o próprio CD, que fez com o próprio dinheiro, e nem vão conseguir sequer olhar o Papa de longe quem dirá cantar pra ele.

Sem contar com algumas gravadoras “católicas” que são verdadeiras mercenárias do dom da música, que escravizam o músico e suas canções e nunca mais serão livres.

Eu sou contra porque a Igreja não precisa de estrelas pra atrair o jovem, pois é o próprio Cristo quem o atrai. Não é isso que sempre escutamos em todos os retiros de carnavais, de fins de semanas “Deus te chamou dentro dos outros, porque ele tem um plano para você e  bla bla bla” ou estou mentindo?

A Igreja do Brasil já passou vergonha com isso quando chamou a Daniella Mercury para cantar pro Papa Bento XVI e ele recusou. E recusou bem, pois bem sabemos o desfecho desta história onde ela queria levar alguns estudos sobre o uso do preservativo, como se a Igreja não soubesse o que é isso. Sem contar que anos mais tarde (nos dias atuais) ela assumiria sua homossexualidade, que isso é outro assunto. Mas voltando ao Papa Bento XVI, ele queria cantores da Igreja e como foi lindo ver aquele dia no Estádio do Pacaembu ver toda aquela juventude  cantando “Ninguém Te Ama Como Eu”, eu estava lá! Eu vi isto acontecer.

Bem vale a pena refletir sobre isso! Vamos continuar a valorizar as arpas do Império de Nero que tocavam enquanto Roma pegava fogo ou vamos escutar as vozes “ a capela” daqueles que se sacrificam nas arenas  de nossas igrejas?

 

Por Leonardo Souza

Voltar