28º Domingo do Tempo Comum

14/10/2013 17:59

 - Em tudo tenha um coração grato -

“Tende misericórdia de mim que sou devedor de dívidas incalculáveis, para que proclamando com reconhecimento vossos benefícios, meu amor se exprima com não menor intensidade. Em tudo, glória a Vós, Senhor”. São Gregório de Narek

Neste domingo do Senhor, palavras como graça, reconhecimento, gratidão, dom da fé e vida de fé, são argumentos e pontos fortes para nossa lectio divina. Vemos como Deus se serve do milagre da cura de Naamã, restaurando seu corpo da lepra, como se revela a ele que era pagão e o chama à fé. E este chamado à fé como uma resposta ao tempo e a demora, na certeza de que o Senhor tem suas razões para isso. Tão dócil à graça do Senhor e cheio de gratidão, Naamã responde convertendo-se interiormente e proclamando em alta voz que o Deus de Israel é o único Deus verdadeiro. Vemos também como Paulo afirma que o dom da fé não está vinculado a povo algum, a situação alguma, de forma que a Palavra de Deus não se pode algemar, e como nada pode impedi-la de florescer nos corações mais estranhos, assim como Naamã, que não fazia parte do mundo dos crentes, e suscitar neles a fé. Também vemos o grupo desses dez leprosos encontrar-se com Jesus e como gritavam a Ele, que é Mestre e Senhor, pedindo que tivesse compaixão deles.

            Hoje, o brado de confiança e a reação desses leprosos ecoam em nossa alma. Jesus, cujos milagres ouviram contar e cuja compaixão pelas misérias humanas, as nossas misérias, ouviram louvar. Mas Nosso Senhor lhes impõe uma condição: “Vão mostrar-se aos sacerdotes”. O que era exigido pela lei mosaica ao leproso já curado, para inspeção de sua cura (Lv 14,2), e Ele o exige dos dez, antes mesmo de serem curados, realçando aqui o valor da obediência à lei. Enquanto iam pelo caminho para cumprir a exigência feita pelo Senhor, sentiram-se curados. E olha que foi idêntica a cura para todos eles, mas não idêntica reação deles. “Um deles, quando viu que estava curado, voltou, louvando a Deus em alta voz, e prostrou-se aos pés de Jesus e lhe agradeceu. Este era samaritano.”

            Os outros nove não sentem necessidade de voltar para agradecer, talvez porque, como membros do povo eleito, escolhido, acham com direito e privilégio aos dons de Deus. Enquanto que o samaritano, estrangeiro como é, não se acha “dono” deste direto e, considerando-se indigno dos favores de Deus, acolhendo-o com coração contrito, humilde e muito grato. Esta atitude de humildade, reconhecimento e gratidão, dispõe-no a outro favor ainda maior, o da salvação: “Levanta-te e vá; a tua fé o salvou”.

            Para hoje, vamos considerar em nossa oração, quando foi a última vez em que fui grato ao Senhor por agir em nossa vida, em nossa história de salvação pessoal? Mesmo que ainda não veja ou perceba a virada de Deus em nós, é tão importante, salutar, cultivar a atitude do Samaritano que voltou, a gratidão por tudo o que fez e faz o Senhor. Sejamos como o leproso e lembre-se de dar graças ao Senhor por Sua obra, por Seu Amor Misericordioso e Paciente, e por tudo o que Ele significa para nós.

            Concluímos pedindo ao Espírito Santo, pela poderosa intercessão do Imaculado Coração de Nossa Mãe, que Ela mesma leve nosso pequeno coração, cheio de louvor e gratidão ao Senhor que é o mesmo, ontem, hoje e sempre.

            Santa semana a todos.

Por Carlos Guilherme

Voltar