1º Domingo do Advento

01/12/2013 00:30

- Vinde Senhor Jesus -

O primeiro pensamento que nos vem, e não poucas vezes, tão logo pela manhã, ao despertar, é; o que nos aguarda, e o que possa estar reservado, no decorrer do dia, de alegrias, trabalhos e sofrimentos. E quase que imperceptível à nossa atenção, uma atitude bem disposta, de vigilância e expectativa, tanto nos deveria animar mais: A espera do Senhor que vem! Esta atitude pode atear o desejo e a necessidade que temos de Deus! E o advento nos faz considerar a Sua vinda como prometido, no mistério da Encarnação, e esperado em Seu certo retorno, no fim dos tempos.

Assim, para bem colhermos com frutos esta lectio, peçamos humildemente: “Ó Jesus, fazer a vontade de vosso Pai, agir em vista dele foi o vosso alimento, o de que viveste. Seja este também nosso pão, nossa vida: agir continuamente para vós, para vós viver, para a vossa vontade, para vossa glória. Ter sempre em vista vossa vontade, vossa glória. Eis a nossa vida, nosso pão cotidiano e de cada instante, a exemplo vosso, ó meu Senhor e meu Deus”. (Beato Charles de Foucaud).

Tomando a Palavra de hoje em Is 2,1-5; Sl 121,1-9; Rm 13,11-14; Mt 24,37-44, lendo com devoção e amor à sua vontade, tenha o coração profundamente agradecido ao Pai que nos transferiu das trevas para a luz de Cristo, e nos deu este tempo de preparar nossa alma para que na sua chegada, não nos encontre absorvidos em coisa de pouca ou de nenhuma importância diante de Deus.

Tempo maravilhoso esse que a Santa Mãe Igreja proporciona a nós seus filhos, guiada na promessa do seu Senhor que vem repentinamente. Nós, que dominados pelo corre-corre da vida e por tantas futilidades em que nos deixamos prender, não dedicamos suficiente tempo, nem disposição para pensar em coisas importantes, mas que, por enquanto, nos estão ocultas, como seja a Vinda do Senhor Jesus. Nestes dias, onde nos deparamos cada vez mais com uma ideologia que preza, e muito fortemente, a procura de criar para nós mesmos, aqui, um paraíso na Terra, à nossa maneira, e de nosso gosto; cada um procura ter a vida cada vez mais facilitada, como se este mundo fosse o lugar onde viveremos para sempre. Ora, quem se lembra da vida eterna ou do retorno glorioso do Senhor? Quem se lembra de que o prêmio desta vida se recebe depois, e que, com a vinda do Senhor se inaugura Novo Tempo, pois o paraíso é noutro lugar, não nesta terra, onde todos se atropelam em busca de uma situação melhor.

Ao fazermos um exame particular e delicado de nossa consciência, a partir dessa promessa, podemos pela Graça compreender que não se perguntará a nós se tivemos só um pão para comer, mas se desse pão repartimos metade com quem não tinha nenhum. Não se perguntará se tínhamos abrigo para fugir das intempéries e catástrofes, mas se repartimos o lar e a amizade com quem não tinha quem lhes desse amor. Não se perguntará como é que cada um falou, quanto falou, em quantas reuniões estivemos, mas como é que cada um amou. Não se perguntará quanto é que cada um estudou e quantos mestrados fizemos mas, como é que usamos a palavra amor e que significado lhe demos.

Ao concluirmos, peçamos que a Mãe do Belo Amor nos inspire a percepção da “gravidade do momento” e que respondamos ao Seu Filho com prontidão aos seus apelos, caminhando entre as coisas que passam, e abraçar as que não passam. Amém.

Santo Advento a todos, boa semana e Vinde Senhor Jesus !!!

 

Por Carlos Guilherme

Voltar